Hospedagem Profissional

Hospedagem Profissional
Clique aqui e ganhe US$ 10,00 para testar durante 1 mês a melhor hospedagem: Digital Ocean!

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Padrão brasileiro de TV Digital abre oportunidades a desenvolvedores Java

Oracle calcula 130 mil programadores no Brasil e projeta boom de mercado de serviços distribuídos via televisão a partir do próximo ano

O Brasil aprovou o uso do Java em seu Padrão de TV Digital. O movimento abre um mercado para os aproximadamente 130 mil desenvolvedores brasileiros que atuam com a plataforma. A expectativa é um boom nesse mercado a partir de 2013, a partir da evolução do programa e queda de preço dos dispositivos com mais interatividade. “É uma tecnologia nova. A TV vai criar um novo paradigma para pessoas de qualquer renda, com acesso a conteúdo e interação de uma forma diferenciada”, aposta Dimas Oliveira, consultor de vendas da Oracle.

A fabricante acredita em uma ampla adesão dos produtores de televisores e settop box ao padrão, que aumentarão a oferta de soluções interativas e de inclusão digital. Atualmente, já existem alguns aparelhos com esses recursos – mas a proporção ainda é muito tímida. A ideia é que uma popularização de aparelhos mais sofisticados impulsione serviços diversos distribuídos via TV. “O que vai determinar o sucesso ou não da plataforma será o desenvolvimento”, comenta.

“Esses desenvolvedores podem criar os mais diversos aplicativos interativos, seja para transmissão de conhecimento, conscientização, educação, cultura, lazer, comércio, etc. Para isso, os fabricantes de equipamentos de televisão e de settop-box têm apenas de incluir em seus produtos o middleware interativo DTVi, que roda em máquina virtual Java – Oracle JVM, cujo padrão de qualidade se diferencia pela flexibilidade, robustez, certificação e padronização, garantindo a continuidade da oferta e que o mercado não sofra fragmentação”, detalha um comunicado da fabricante sobre o tema. Os programadores forneceriam soluções a emissoras e retransmissoras, produtoras de conteúdo e anunciantes.

Na visão do consultor, a interatividade propiciará que a população acesse, através dos televisores, serviços bancários e públicos, por exemplo. A plataforma também permitirá novas modalidades de comércio (T-commerce, como foi batizada as negociações via TV digital), a partir de ofertas segmentadas e do relacionamento com telespectadores.

“Hoje, cada TV tem seu próprio ambiente de desenvolvimento. A ideia do Ginga é que, independente do fabricante ou desenvolvedor de software, o aplicativo funcionará em qualquer marca de aparelhos”, explica Oliveira.

Oliveira vislumbra um mundo onde as aplicações para TV digital seguiriam uma lógica similar ao mercado de telefonia móvel, no qual um próximo passo seria a abertura de canais alternativos de conteúdo de outra fonte que não seja o broadcaster, o que ajudaria a dar escala ao conceito. Sem dimensionar de maneira precisa o quanto esse mercado movimentaria, ele mostra-se otimista. “É um mercado mais interessante do que o de dispositivos móveis”, compara.

Fonte: http://crn.itweb.com.br/36923/padrao-brasileiro-de-tv-digital-abre-oportunidades-a-desenvolvedores-java/

terça-feira, 19 de junho de 2012

Aplicação Mobile com HTML5 e Java

Saiba como construir uma aplicação em HTML5 com interface mobile e desktop nesse tutorial.

Saiba mais em http://www.jboss.org/aerogear/WhatisAeroGear.html

Screencast - Começando com Git

Excelente vídeo aula sobre o GIT, um controlador de versões centralizado que está agradando muita gente.

sábado, 2 de junho de 2012

Python: a “arma secreta” do Google

Se você é desenvolvedor e tem interesse em seguir carreira com computação gráfica, saiba que Python é a linguagem que possui hoje uma importância fundamental nesse mercado. Quem faz a afirmação é Luciano Ramalho, assim como o título deste post. Luciano é um dos principais articuladores do mundo Python em comunidades e eventos em que participa. Um desses eventos foi o DevInVale 2011, em São José dos Campos, onde Luciano apresentou um overview da linguagem. “Python, embora seja uma linguagem orientada a objeto, segue a filosofia da linguagem C++ no sentido de não te obrigar a programar orientado a objetos. Você não é obrigado a criar classes, pode criá-las quando faz sentido com o tipo de abstração do seu projeto. Além disso, o Python suporta também o paradigma funcional”, resume ele.

Antes de falar das características da linguagem, Luciano Ramalho alfinetou linguagens como PHP e JavaScript, as quais, segundo ele, foram prejudicadas pelo pouco tempo de desenvolvimento e maturação. “Python e Ruby são linguagens que foram desenvolvidas e maturadas ao longo de muitos anos, Python já tem 20 anos, Ruby um pouco menos, mas que começaram com uma pequena comunidade e um desenvolvedor que não estava com pressa e eles conseguiram desenvolver linguagens muito bem feitas”, observa.

Características

- Não obriga a declarar variáveis, mas obriga a inicializá-las
- Tipagem dinâmica forte, obriga conversões explícitas
- Suporta sobrecarga de operadores e herança múltipla (algo não encontrado em Java)
- Usa exceções, mas não obriga a declarar ou tratar (todas as bibliotecas trabalham com exceções, o que confere um conforto muito grande ao programador, pois ao chamar uma função, você sabe que pode confiar no resultado dela)
- Usa namespaces, módulos e pacotes (que permitem a construção de programas muitos grandes)

Implementações

- CPython: interpretador padrão, escrito em C (vem instalado no Linux e no OSX)
- Jython: implementado em Java, roda sobre a JVM (o framework Djando roda sobre ele)
- IronPython: implementado em C#, roda sobre o .NET CLR
- PyPy: implementado em Python, compilação JIT (comenta Luciano que o PyPy começou este ano a atingir um nível de desempenho em que passou a bater o CPython em quase todos os benchmarks)

Casos de sucesso

O YouTube foi desenvolvido em Python – Uma das três linguagens predominantes nos servidores do Google (as outras são C++ e Java)
O G1 foi construído em Django – Framework mais popular do mundo Python
Mozilla Firefox Add-Ons
Dropbox
Google App Engine
The Foundry, NUKE (interface escrita em Python)
Autodesk Maya
InVesalius (software de análises de imagem de tomografia, usa biblioteca Python)
Civilization IV (Game)
Frets on Fire (Game)

Assista ao vídeo com a íntegra da palestra de Luciano Ramalho no DevInVale 2011 para ver “de tudo um pouco” sobre Python, inclusive um live coding bem básico como demonstração da facilidade de uso e aprendizado da linguagem:

 

 

Referências:

Python Brasil

Google Groups: python-brasil

Khan Academy

Google Code University

“Introdução à Programação com Python”, de Nilo Menezes

“Python e Django”, de Osvaldo Santana e Thiago Galesi

Inteligência Artificial

 

Por Laura Loenert em GoNow