Hospedagem Profissional

Hospedagem Profissional
Clique aqui e ganhe US$ 10,00 para testar durante 1 mês a melhor hospedagem: Digital Ocean!

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Entendendo static

Você se sente confuso quanto à utilidade da palavra-chave static? Não sabe quando nem como usar? Seus problemas acabaram, leia este tutorial aqui do GUJ e acabe com suas dúvidas.

Quando e porquê usar static? 


static é uma das palavras-chave do Java, e é também motivo de muita confusão e dúvidas entre o pessoal que esta começando. Aliás, mesmo os mais experienciados confundem-se às vezes em usar ela. 
O método static mais famoso de todos é o main. É através dele que vimos nosso primeiro programa em Java nascer, e é sempre via main que nossos programas criam vida. Por definição da linguagem Java, o método main precisa necessariamente ter acesso public, ser static, não retornar coisa alguma ( void ) e receber como argumento um array de String ( String args[] ): 

1 public static void main(String args[])


Entendendo static

Como regra geral, tenha isso em mente: dentro de métodos static somente é possível pode acessar outros métodos e variáveis que também sejam static. Dentro do método pode-se definir qualquer tipo de variável, static ou não. Caso seja necessário acessar algum método ou membro não-static, é necessário criar uma instância da classe e então chamar o que quiser. Já o contrario é um pouco diferente: dentro de membros não-static, é possível acessar tanto propriedades static quanto as não-static. 

O fato de ser preciso primeiramente criar uma instância da classe para só então chamar algum método não-static ou acessar uma variável comum dentro de um método static deve-se ao fato que dentro dele não existe uma referência para o ponteiro this. O ponteiro this é utilizado para referenciar propriedades da classe em que estamos trabalhando. Por exemplo: 

1 ...
2 // Variável simples, para guardar o nome
3 private String nome;
4 
5 // Algum método comum
6 public void meuMetodo()
7 {
8     this.nome = "Fulano";
9 }


No exemplo acima, this.nome = "Fulano" diz que estamos atribuindo ao membro da classe chamado nomeo valor "Fulano". O uso de this é automático, portando o exemplo acima poderia ser escrito simplesmente da forma 

1 ...
2 // Variável simples, para guardar o nome
3 private String nome;
4 
5 // Algum método comum
6 public void meuMetodo()
7 {
8     nome = "Fulano";
9 }


Note que agora não mais usamos this, e funciona da mesma maneira. 
Se o método meuMetodo fosse static, o código acima não funcionaria, pois como foi dito antes, métodosstatic não possuem this

Ao contrário do que o nome soa, static não significa que a variável ou método sera estática do ponto de vista que seu valor não pode mudar ( final é usado para estes casos ). static nos garante que somente haverá uma, e não mais que uma, referência para determinada variável ou método disponível em mémoria.
Em outras palavras, declarando alguma coisa como static, todas as instâncias da classe irão compartilhar a mesma cópia da variável ou método. Declarar algo como static também permite você acessar as coisas diretamente, ou seja, sem precisar criar uma instância da classe. Existe inclusive um Design Patter baseado no uso de static: Singleton. 

Para entender melhor tudo o que foi dito, nada melhor que alguns exemplos práticos para ver com os próprios olhos o funcionamento. O primeiro exemplo consiste em uma classe com 2 variáveis, uma static e outra não-static. A cada novo objeto criado, incrementados ambas variáveis e imprimimos o resultado na tela. Digite o seguinte código em um arquivo chamado "TesteStatic.java": 

01 // TesteStatic.java
02 class Classe1
03 {
04     // Variavel static
05     public static int contador = 0;
06 
07     // Variavel nao-static
08     public int outroContador = 0;
09 
10     public Classe1() {}
11 
12     // Precisa ser static porque "contador" é static
13     public static void incrementaContador()
14     {
15         contador++;
16 
17         System.out.println("contador agora é "+ contador);
18     }
19 
20     public void incrementaOutroContador()
21     {
22         outroContador++;
23 
24         System.out.println("outroContador agora é "+ outroContador);
25     }
26 }
27 
28 public class TesteStatic
29 {
30     public static void main(String args[])
31     {
32         Classe1 c1 = new Classe1();                     
33         c1.incrementaContador();
34         c1.incrementaOutroContador();
35 
36         Classe1 c2 = new Classe1();
37         c2.incrementaContador();
38         c2.incrementaOutroContador();
39         
40         Classe1 c3 = new Classe1();
41         c3.incrementaContador();
42         c3.incrementaOutroContador();
43 
44         Classe1 c4 = new Classe1();
45         c4.incrementaContador();
46         c4.incrementaOutroContador();
47     }
48 }


A saida gerada por este programa será 

contador agora é 1 
outroContador agora é 1 
contador agora é 2 
outroContador agora é 1 
contador agora é 3 
outroContador agora é 1 
contador agora é 4 
outroContador agora é 1 


Note que a variavel "contador", que é static, não teve seu valor zerado a cada novo objeto criado da classeClasse1, mas sim incrementado, enquando "outroContador", que é uma variável comum, ficou sempre em 1, pois a zeramos o valor no construtor da classe. 

Ao contrário de tipos de dados não-static, qualquer variável ou método static podem ser acessado diretamente, sem necessitar de uma instância da classe criada: 

01 // TesteStatic2.java
02 class Classe2
03 {
04     // Escreve alguma frase na tela
05     public static void escreve(String msg)
06     {
07         System.out.println(msg);
08     }
09     
10     // Retorna a multiplicação de dois números int
11     public static int multiplica(int n1, int n2)
12     {
13         return (n1 * n2);
14     }
15     
16     // Construtor, apenas para mostrar que
17     // ele nem chega ser chamado
18     public Classe2()
19     {
20         System.out.println("Construtor de Classe2");
21     }
22 }
23 
24 public class TesteStatic2
25 {
26     public static void main(String args[])
27     {
28         Classe2.escreve("Multiplicando 3 vezes 3:");
29         int resultado = Classe2.multiplica(33);
30         Classe2.escreve("Resultado: "+ resultado);
31     }
32 }


Rode este programa e repare no resultado. Veja que o construtor da classe não foi chamado, pois não aparece na tela a string "Construtor de Classe2". Repare também que não criamos instância alguma de Classe2 para chamar seus métodos. Caso os métodos escreve e multiplica não fossem static, seria necessário fazer 

01 public class TesteStatic2
02 {
03     public static void main(String args[])
04     {
05         Classe2 c2 = new Classe2();
06         c2.escreve("Multiplicando 3 vezes 3:");
07         int resultado = c2.multiplica(33);
08         c2.escreve("Resultado: "+ resultado);
09     }
10 }


Note que o código acima funciona perfeitamente mesmo com os métodos static. Isso funciona porque apesar de podermos chamar diretamente as coisas quando elas são static, não é obrigatório, podendo perfeitamente ser criada uma instância da classe e então chamar os métodos. 

O uso de static depende muito do caso, e conforme você vai pegando mais experiência, irá naturalmente identificar os lugares que precisam - ou que são mais convenientes - ao uso de tal palavra-chave. 

Caso tenha alguma dúvida, não hesite em postar no fórum do GUJ. 

Abraços e até a próxima.

Fonte : http://www.guj.com.br/java.tutorial.artigo.121.1.guj